segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Algumas análises da grande imprensa sobre o livro “Simonal: quem não tem swing more com a boca cheia de formiga”, de Gustavo Alonso. Aqui estão algumas:




“Alonso complexifica a discussão sobre o fim da vida daquele grande cantor. Deve ser lido.”
Caetano Veloso, Segundo Caderno, O Globo, 02/09/2012.
_________________________________________
"O trabalho de Gustavo Alonso pretende entender o ostracismo a que Simonal foi relegado e recuperar sua importância, mas de uma maneira original, talvez da maneira mais original entre as que foram tentadas até agora. "Simonal: quem não tem swing morre com a boca cheia de formiga" é um livro inflamável. Há combustível suficiente para uma explosão e tanto nas entranhas da MPB. É lenha na fogueira da MPB. E bem que a MPB está precisando."
Arthur Xexéo, O Globo, 03/08/2011
__________________________________________

"Eis o ovo da serpente cutucado pelo historiador Gustavo Alonso. Esmiuçando inúmeros exemplos, Gustavo dá margem à compreensão de que, numa sociedade muito mais complexa que o bangue-bangue hollywoodiano maniqueista que divide o mundo em 'bons' e 'maus', quem lutou contra a ditadura pode ter igualmente colaborado com ela, e vice-versa. Quem sofre espeicalmente nas mãos do autor é Chico Buarque, herói máximo das esquerdas dos anos 1970 e figura que, afinal, acumulou prestígio, fama e fortuna à custa da luta simbólica diuturna contra os mandos e desmandos dos generais instalados em Brasilía. (...) Você já havia ouvido falar em algum outro lugar sobre esse perturbador redesenho histórico proposto em livro por Gustavo Alonso?"
Pedro Alexandre Sanches, Revista Caros Amigos, jun. 2011
__________________________________________
"Este livro nasceu da dissertação de mestrado defendida pelo autor, o historiador Gustavo Alves Alonso Ferreira, na Universidade Federal Fluminense, em 2007. E por isso se mostra uma obra bastante completa quanto à pesquisa e apuração dos fatos que permeiam a vida e obra do redescoberto Wilson Simonal".
Revista Rolling Stone, julho de 2011
__________________________________________
"O grande problema da análise da MPB no período – que acomete a Internet, nas disputas ideológicas – é se tomar a parte pelo todo. A parte era um mundo pequeno, composto de críticos, músicos e um público restrito. (...)
Como constata Alonso, a maioria da população apoiava a ditadura."
Luis Nassif
__________________________________________
“A leitura de Simonal Quem Não Tem Swing Morre com a Boca Cheia de Formiga se torna obrigatória por todos que se interessam pela música brasileira e pelo questionamento dos mitos alimentados pela história oficial da tal MPB”.
Mauro Ferreira, jornalista, matéria do blog:
__________________________________________

“Este livro vai além dos limites de uma biografia tradicional: explora como a sociedade e, especialmente, o meio musical atravessaram a corda bamba do protesto e da adesão ao regime militar. (...)Na contramão do senso comum, que coloca o elenco da MPB no panteão dos heróis nacionais da resistência, o autor lembra que vários cantores e compositores flertaram com a ditadura e a bajularam. (...)este livro interessa não só aos apaixonados por nossa cultura, mas também aos que se deixam atrair pelo enigma de como as sociedades eternizam ou matam seus ídolos.”

Texto da orelha do livro, de  Paulo Cesar de Araújo, autor de “Eu não sou cachorro, não: música popular cafona e ditadura militar” (Ed. Record) e “Roberto Carlos em detalhes” (Ed. Planeta)

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Caetano comenta novamente o livro "Simonal: quem não tem swing morre com a boca chea de formiga"



Caetano colocou os pingos nos 'is' e comentou o livro de minha autoria em sua última coluna de O Globo, 02/09/2012. Segundo o baiano:

Resultou injusto o que escrevi na semana passada sobre Gustavo Alonso. Eu me referia a algo implícito nas perguntas que ele me fez e pareceu que considero seu livro sobre Simonal um vale-tudo simplista, tudo o que o livro não é. Alonso complexifica a discussão sobre o fim da vida daquele grande cantor. Deve ser lido.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/cultura/frio-no-rio-5976452#ixzz25j2uAWpr
© 1996 - 2012. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Análise do livro "Simonal: quem não tem swing morre com a boca cheia de formiga" no site "Recanto das Letras"


O site "Recanto das Letras" postou uma boa análise do livro "Simonal: quem não tem swing morre com a boca cheia de formiga", assinada por Rodrigo Zafra. Vale a pena ler!

http://www.recantodasletras.com.br/resenhasdelivros/3862324

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Caetano cita o livro "Simonal: quem não tem swing morre com a boca cheia de formiga"

Despois de fazer uma segunda entrevista com o Caetano Veloso acerca de meu futuro livro sobre música sertaneja (Cowboys do Asfalto: música sertaneja e modernização brasileira - no prelo), o gênio da raça comentou a entrevista em sua coluna semanal de O GLOBO.  E parece querer dizer algo sobre a recente produção bibliografica musical brasileira...  Elogiou a obra e pontuou o que acha importante.  No plano geral, confundiu a entrevista sobre um determinado aspecto do futuro livro com a crítica a minha obra sobre Simonal e a de Paulo César de Araújo sobre a música brega... Mas já é uma honra ser citado pelo grande Caê, e não poderia ser diferente!


Caetano Veloso

Moral da história

26/08/2012

‘Somos sempre relembrados de que nossas alegrias são suspeitas, nossa possível felicidade, criminosa’

Possivelmente por causa de Adorno, somos sempre relembrados de que nossas alegrias são suspeitas, nossa possível felicidade, criminosa. Grande parte das excitações tropicalistas tem origem no movimento íntimo para confrontar esse mandato. Me lembro de chegar a amar um anúncio de açúcar que ocupava enorme espaço na parede em frente ao apartamento em que morei em São Paulo em 1967-1968. Dizia simplesmente “Açúcar sacode” e tinha a imagem de uma moça saudável e sorridente. Não foi outra a razão principal para a utilização do bordão de Simonal e Chacrinha, “Alegria, alegria!” para título da canção que caracterizou o movimento. A aproximação com o rock veio por caminho análogo: Roberto Carlos cantando “Quero que vá tudo pro inferno” foi a ponte para a recepção dos Beatles e a aceitação das manifestações da cultura de massas.
O modelo godardiano sugeria que o amor pelo cinema não podia ignorar Hollywood, ao contrário. A consciência das dimensões trágicas da vida não impedia que, em seus filmes, a reverência pelo contentamento selvagem de personagens inconscientes das questões sociais ou morais explodisse em imagens de grande poder físico. Liberdade que, por sua vez, não impediu o diretor de passar a tomar os temas políticos e filosóficos que o interessavam como matéria da vida consciente dos personagens de seus filmes posteriores. O caso desse cineasta francês é paradigmático das oscilações entre cantar a dor e a delícia da existência e aderir ao ideário crítico do marxismo ocidental. Veja “Pierrot le fou” e, depois, “A chinesa”. Pense no Godard amante de “Um pijama para dois” e em suas entrevistas dos anos 1980, onde ele desanca Spielberg. Ou veja o filme (de transição) sobre os Rolling Stones e leia o que, pouco depois, ele passou a dizer sobre a indústria cultural.
Um rapaz chamado Gustavo Alonso, que escreveu “Simonal: quem não tem suingue morre com a boca cheia de formiga”, livro sempre interessante (a escolha da frase violenta para o título dá uma mostra da combatividade do autor), estranha uma possível incoerência entre a atitude simpática de tropicalistas (e roqueiros oitentistas) em relação a formas de expressão estigmatizadas em sua época e a resistência a aceitar a música sertaneja repaginada, nascida com Chitão e Xororó e hoje nas mãos dos “universitários”. Eu próprio compartilho com Gustavo algo desse estranhamento. Mas precisei dizer a ele que as coisas não são tão simples e lógicas como ele pretende. Feliz e infelizmente. Alonso segue de perto os argumentos de Paulo Cesar de Araújo, autor de “Eu não sou cachorro, não”, livro instigante e cheio de revelações. Parece-me que ambos tendem a, por um lado, simplificar uma questão complexa, e, por outro, a apontar para uma ausência total de discriminação da produção artística. Eu disse a Alonso que as exigências estéticas de quem produz responsavelmente são fortes. A discriminação é condição da criação. Amo Dori Caymmi inclusive porque ele nunca arredou pé de sua intransigência contra os tropicalistas. Do meu ponto de vista, nós tínhamos razão, mas Dori precisava não ver essa razão para atender às demandas da formação de seu estilo — e ninguém toca violão como ele, ninguém escreve arranjos como ele. Um atitude acrítica, de vale tudo, a institucionalização da “geleia geral” de que falou Pignatari, seria a morte.
As aberturas para formas não canônicas são, muitas vezes, mais fechadas do que o cânone. E a seleção do que reavaliar (ou reavalizar) tem de nascer de funda intuição estratégica. É um pouco como a receptividade de linguistas para formas desprezadas. Há a sabedoria das apostas e há o crivo da eficácia das políticas sugeridas. Vale-tudo e partidarismo são nocivos.
Há uma canção que me assombra. É “Vivo en un pais libre”, de Silvio Rodriguez. Ela fala de um momento de reconhecimento da grande felicidade do cantor. Como é cubano, esse canto de afirmação da vida está isento da censura dos adornianos. Na tradição chorona da canção latino-americana, canções de alegria foram vistas como novidade quando começaram a aparecer (ao menos no Brasil) no nascimento da bossa nova e, mais fortemente, no pós-tropicalismo setentista. As patrulhas ideológicas, flagradas por Cacá Diegues, logo disseram que éramos a “patrulha odara”. Mas o cubano tem direitos especiais. De fato, estar até hoje sob o embargo americano é sinal de que ousadia histórica houve. No entanto, as palavras finais da canção, de pedido de perdão aos “mortos da minha felicidade” (que Antonio Cicero me disse achar belo e parecido com o que Brecht diz às gerações futuras), fazem pensar nos paredões e na complexa moral da história.


Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/cultura/moral-da-historia-5897376#ixzz24o5yoi00
© 1996 - 2012. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012